quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Nota oficial da Coordenação Geral do FestLuso

O FestLuso, Festival de Teatro Lusófono, nasceu em 2008 depois de mais de 10 anos sendo gestado. A proposta é provocar um intercâmbio continuado entre os 8 palcos lusófonos: Brasil, Angola, Portugal, Cabo Verde, São Tomé e Príncipe, Moçambique, Guiné Bissau e a recém acolhida região da Espanha, Galícia.

Quando a idéia foi lançada, veio a pergunta: por que algo tão grande em uma cidade deslocada do eixo Rio-São Paulo? Simples. Para deslocar o eixo. E muitos tiveram de engolir a seco os ácidos comentários de que tal iniciativa não daria certo quando, em agosto daquele ano, Teresina se tornava palco mundial da lusofonia. A primeira edição contou com 120 convidados de 7 países falantes da Língua Portguesa. Uma vasta programação polarizada em três teatros: 4 de Setembro, João Paulo II e Estação, além de mostra de rua, oficinas, debates e shows.

No ano seguinte, repetia-se o sucesso e o Piauí conseguia firmar lugar na comunidade lusófona com uma grandiosa segunda edição, a mesma que recebeu a atriz Regina Duarte e lançou o livro “O Morto, Os Vivos e o Peixe-Frito”, do escritor angolano e vencedor do prêmio Jabuti Ondjaki.

O terceiro ano tinha tudo para ser ainda maior: o FestLuso teria a oportunidade de sediar o 2º Encontro Internacional Sobre Políticas de Intercâmbio em parceria com a entidade portuguesa Cena Lusófona. Com a data alterada por conta do período eleitoral, o festival foi agendado para novembro, de 15 a 21.

Porém, a noite desta quinta-feira (11) a quatro dias da abertura do evento, uma notícia desestabilizou a equipe do festival. O governo do Estado do Piauí negou qualquer apoio financeiro para a realização do tal. Diante das argumentações dos coordenadores, o governador reeleito Wilson Martins alegou falta de recursos e disse: “Cancelem o festival”.

Sem a participação do Estado, o FestLuso vê-se obrigado a cancelar 60% de sua programação, incluindo espetáculos locais, nacionais, mostra de teatro de rua e shows, nessa conta uma das atrações mais esperadas desta edição, o músico Jorge Mautner.

A burocracia também impediu que uma emenda proposta pelo deputado federal Osmar Júnior (PCdoB) para o festival fosse conveniada a tempo no Ministério da Cultura. Resultado: menos recursos.

Contando apenas com o patrocínio da Oi e da Funarte, o FestLuso receberá os grupos internacionais e manterá o Encontro Internacional. A coordenação lamenta que tenha que abrir mão da grandiosidade de seu festival por conta da desconsideração do governo. Ainda que a cultura seja muitas vezes minimizada em detrimento de “causas maiores”, esses operários insistem que não querem só comida. Eles querem comida, diversão e arte.

11 comentários:

  1. Vai ver isso é o significado da política do molin molin. E olha que ainda nem começou o novo mandato...

    ResponderExcluir
  2. Que absurdo!!!Só dar vontade de gritar...e dizer pra quem votou no Wilson!Eu aviseiii!!!Ele não liga pra cultura gente!!!Eu dissseeee!!!Que bosta!!

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. A dimensão dos valores culturais agregados aqui na capital, parece não ser o sufuciente para a tal mudança e sustenção para uma "politica" justa(não deve haver nada justo mesmo nesse mundo). Não sei aonde essa cidade vai parar! A coragem dos artistas é demais para o cúmulo do governo!
    Isso é uma vergonha!!!

    ResponderExcluir
  5. Acredito que, essa divulgação de que o estado não irá patrocinar o evento 4 dias antes da abertura oficial, mostra o descaso com a Cultura, aí depois nos perguntamos o porque de espetáculos, festivais a nível do Festluso não fincam raízes no Piauí.
    MAS ainda haverá o Festival, quais atrações não marcarão presença?!

    ResponderExcluir
  6. Esse cara é um idiota(Wilson Idiota) não me arrependo nem um pingo de não ter votado nele. Não era de se esperar que uma pessoas sem agurmentos com uma expressão corporal e facial que nem a de Wilson desse algum tipo de atenção pra cultura...[ódio dele]

    ResponderExcluir
  7. Fica aqui o meu registro de indignação. A Cultura que fortalece um Povo ( uma Comunidade!) nas garras ferrenhas de ad-ministradores hipócritas.

    ResponderExcluir
  8. Lamentável, é imprescindível a participação do governo num evento dessa grandeza. Apoio à cultura já !!

    ResponderExcluir
  9. Não querendo ser egoísta, mas pelo menos eu não votei nisso! affff

    ResponderExcluir
  10. como diria BORIS CAZOI : ISSO É UMA VERGONHA!!!!

    ResponderExcluir
  11. Não é porque não se votou nele que não se pode reclamar. E nada melhor que um Festival como este pra servir de púlpito.

    ResponderExcluir